quinta-feira, 24 de abril de 2008

Virada Cultural em Sampa

Hoje o Gual e a Dani, da loja HQ Mix, mandaram a lista com todo mundo que vai trabalhar lá na Virada Cultural, esse fim de semana.
Como parte da Virada, a praça Roosevelt, onde a loja está situada, vai ter apresentações diversas varando toda a noite, de sexta a domingo.

Primeiro, sobre o projeto deles... Não vamos trabalhar na loja! Mas sim, participar de uma HQ Jam Session. “O CRIME DO TEISHOUKO PRETO”, é uma HQ criada a muitas mãos. Um projeto que visa reunir 100 artistas de HQ do começo do século 21, onde cada um desenha uma página para dar sequência à anterior, e com isso criar uma HQ que, ao meu ver, não tem obrigatoriamente uma linha séria ou coerente.

Quando a HQ estiver pronta, vai ser publicada em livro, e uma porcentagem dos direitor autorais vai para os artistas. Clçaro que essa parte é bem ínfima, mas fazer parte de um projeto desses é sempre legal.

Fiquei extremamente feliz quando eles me convidaram. Claro, convidaram muita gente, mas fazer parte desse seleto grupo de gente muito boa, me fez inflar um pouquinho o ego. É sempre bom ter seu trabalho reconhecido, ainda mais por gente que entende- e bem - do assunto.

Estarei lá, às 19h do sábado, munido com meus pincéis e nanquim, pra dar minha contribuição.
E depois, gastar horrores de $$ que eu não tenho na mega liquidação que vão fazer na loja.

Em segundo lugar, fazer parte disso é ótimo, pq além de me colocar no meio de gente fantástica, vai me proporcionar encontrar de verdade vários deles.
Muitos dos quais, presentes no meu rol de AMIGOS. Velhos conhecidos da Front, ex-professores, caras que curto pela net, todo mundo.
Vai ser muito fera ver por lá, ou pelo menos saber que estiveram por lá, grandes caras como Jozz, Fábio Moon, Gabriel Bá, Gustavo Duarte, Laerte, Rafael Coutinho, Orlando, Júlio Brilha, Bira, Rogério Vilela, Kitgawa, Sidnei Akiyoshi, Will, Daniel Esteves, Gil Tokio, etc...




Para quem não sabe, a Virada Cultural é um evento anual promovido desde 2005 pela Prefeitura de São Paulo com o intuito de promover na cidade 24 horas de maratona cultural. O evento foi inspirado na Nuit Blanche parisiense, que agita anualmente a capital francesa, com atrações que seguem madrugada adentro. Em São Paulo, o festival ganhou contornos superlativos. Para a quarta edição, de 2008, a expectativa de público é de 3 milhões de pessoas. São mais de oitocentas atrações com mais de cinco mil artistas. Gal Costa, Cesária Évora, Fernanda Takai, Jorge Ben Jor, Marcelo D2, Zé Ramalho, Jair Rodrigues, Luís Melodia e Orquestra Imperial são só alguns dos artistas que se apresentam. O Theatro Municipal terá apresentações 24 horas, assim como uma série de músicos se revezam no piano instalado no meio da Praça D. José Gaspar. Tudo de graça.

O grande trunfo da Virada tem sido levar atrações de primeira linha a cidadãos de todas as classes sociais, muitos dos quais nunca pisaram num teatro ou sala de concerto anteriormente. Também tem contribuido para o renascimento do Centro Velho de São Paulo, ao levar os paulistanos para a região, que habitualmente se esvazia durante a noite.



(Valeu, Wikipedia!!!)

Um comentário:

Mariana Guerra disse...

OMFG, eu achava que precisava ir na Virada por conta do Teatro Mágico, não apenas, descobri agora.
FÁBIO MOOOOOON! O BÁÁÁ!! Duarte, Laerte!!!
Pena que minha mãe já cortou meu barato.

Tô atrasada, byeeee
PARABÉNS!! (mais um motivo, eba)