terça-feira, 4 de novembro de 2008

Sobre estilos e os Formandos Renovatus

Uma das coisas que mais incomoda um ilustrador em seu começo de carreira (e, em certos casos, durante toda ela) é o fato de certos clientes simplesmente não o ocntratarem pelo seu estilo próprio. A gente que trabalha com artes gráficas sabe a importância de conseguir atingir um nível de entendimento e técnica que resulta num estilo característico, próprio. Esse estilo, resultado de uma miscelânea de experiências e influências, é único.

Bom, voltemos ao foco. Nem sempre você vai ser chamado para fazer um trabalho seguindo seu prórpio estilo. Eu já fiz muita ilustração tendo que usar estilos que não eram os mais queridos. De um lado você tem a versatilidade: Você sabe desenhar e desenvolve várias linguagens para seu trabalho. Pode ser que você goste de desenhar manchas com nanquim, ma coisamais expressionista, mas para ganhar um diñero você usa estilos que vão do cartum ao realista. Bom, comigo é mais assim. Ou você foca em um estilo e o desenvolve até que todoso reconheçam por ele, e quem o procurar só vai fazê-lo em busca do SEU estilo. Ou, também, por que não, uma mescla dos dois.

Acho que atualmente eu tenho colecionado trabalhos muito legais em HQ e em ilustração que prezam muito mais o estilo que eu escolhi, o que eu amo fazer, do que coisas que alteram meu estilo.

Um dica? Seja versátil. De verdade. Aprender técnicas, linguagens, estilos. Mas tenho um que seja só seu, sua poética. Você pode também, como já falei muito para os alunos, UM estilo, que atacva em várias técnicas. Por exemplo, o Orlando, que apesar de trabalhar com diversas técnicas, da pintura em A2 com gize acrílica, ao desenho de caneta com cores digitais, mas todos eles têm o visual Orlando, a cara dele, que só ele tem.

E também, todo mundo no começo tem que engolir sapos. Todo mundo já engoliu. Eu também. No final das contas, é portfolio, experiência, dinheiro... Mas tenha em mente que você precisa ir impondo seu traço e estilo. Num belo dia, vão te chamar para trabalhar pelo seu estilo, e não querendo que você imite alguém.

Devo dizer que, talvez contrariando isso, meus trabalhos atuais, que me levam um pouco fora do que eu me proponho a fazer, estão sendo bem legais. To adorando tanto o trabalho com a Portal quanto com o Billy. Em breve, tudo estará fechado e eu mostrarei novidades.

Sobre os Formandos!! Primeiro de tudo, parabéns, galerona!! Adorei conhecer todos vocês esse ano e espero que ainda mantenhamos contato, seja eu profesor ou não.

Por essa galera, mudei bem meu estilo. Eu adoro fazer camisetas de formandos. Ainda mais porque quando eu estou no processo, elimino qualquer chance de aparecerem com um Taz ou qualquer coisa dessas clichês (só deixo se for o Calvin!).

Dessa vez, fiz um grande retratão da galera do 9° A, abusando da minha Cintia, e percebi o quanto eu conheci de cada um só por ter me focado nesse trabalho por uns dias. Conheci-os mais pelo desenho do que pelas aulas. Por isso os retratistas passavam um tempo com seus retratados. Por isso atores fazem laboratórios para seus personagens. Quando mais você conhece as pessoas, melhor pode representá-las.



Para a turma do 9° B, decidimos fazer todos os professores no estilo dos Simpsons. Achei bem divertido também, mesmo sendo um estilo diferente do meu. Eu adoro Simpsons, amo o Homer (herói!!), mas não escolheria desenvolver um trabalho próprio com esse visual. Até porque o Matt Groening me processaria gostoso. Bom, o mais legal desse trabalho foi constatar que, como no exemplo do Nono A, eu desenhei melhor os professores com quem tenho mais contato. Eu, obviamente, foi o mais fácil. Alguns professores estão toda sexta lá comigo. Esses foram bem fáceis. Algune, eu conheço a personalidade, o jeitão, e isso facilita demais. Alguns, que eu nunca cheguei a conversar, infelizmente, não foram tão fáceis. Os alunos me deram fotos, e por elas, eu tive um desafio. Como transformar aquela pessoa num Simpson? E mantendo as características? Em desenho muitas vezes a gente se pega nesse dilema, não só num estilo cartum, mas mesmo num realista. O que fazer, o que não fazer? Como? Achei o resultado bem legal, e com isso, acho, acabei conhecendo mais os professores também.




Um comentário:

Anônimo disse...

oi...
é que eu estudo o 3º medio ano q vem...
aí eu queria saber como é que eu faço pra vc fazer um desenho nosso assim como aquele do seu blog...
tem como?