quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Entrevista para o Impulso HQ!

Saiu hoje a entrevista que eu, Ana Recalde (Patre Primordium e Quadrinhópole, minha parceira em "A Humana Perfeita") e Caio Majado (Consequências, e parceirão da Front), feita esse ano no FIQ.

Quem conversou com a gente foi o Renato LeBeau, para o site Impulso HQ! Adorei a entrevista, ficou duca! Renato e equipe, aquele abração e sucesso!

Copoei aqui a minha parte, mas não deixem de visitar o site, comentar por lá e ler as entrevistas da Ana e do Caio!

Mario Cau – Pieces

IHQ: Como surgiu a idéia da publicação?

Mario Cau: A Pieces surgiu de uma mudança de postura em relação aos quadrinhos. Na época da faculdade eu queria trabalhar com super heróis para a Marvel e para DC. Com o tempo fui conhecendo quadrinho adulto e mais autoral e conheci trabalhos que tinham vertentes mais psicológicas como 10 Pãezinhos, mais coisas do Eisner e Terry Moore. Percebi que não me conectava bem com a temática de super heróis, e comecei a fazer histórias sobre o que fazia mais sentido pra mim, e achei o que eu precisava falar e me expressar com desenhos e quadrinhos, que virou a Pieces.

IHQ: A primeira edição da Pieces recebeu excelentes críticas da mídia especializada, como foi a sua reação?
Mario Cau:
Foi uma honra e uma surpresa. Não imaginava e não esperava as boas críticas que teve, porque tem um nicho dos quadrinhos que meche com essa temática também e um receio foi que eu ficasse taxado, que falassem que eu usei a mesma formula do Bá e o Moon, Terry Moore, Craig Thompson, Daniel Esteves e etc.

IHQ: O que o leitor pode esperar de Pieces nº2?
Mario Cau:
Como estou costumando a falar a Pieces nº2 tem mais pedaços para tentar compor o quebra cabeça insano, e nunca vai entender o todo da coisa, tem que juntar as peças e os pedaços. A número dois tem mais cenas, mais momentos que não vão trazer uma conclusão final pra coisa, mas vão ajudar talvez a entender mais o que eu quero dizer com os quadrinhos da Pieces.

IHQ: Como foi produzir a continuação depois do excelente resultado do número um? Mudou algo na sua postura?
Mario Cau:
Sempre que você faz uma coisa que ela é bem aceita, com boas críticas, você já automaticamente fica com uma autocrítica maior. Eu tenho que atender uma expectativa que pode existir do número 2. Não vou falar que mudei o meu jeito de trabalho porque na verdade eu não mudei. A maior parte das histórias já estavam prontas quando a Pieces nº1 saiu, e tem duas histórias inéditas que fiz para a continuação.

Dá para perceber que as histórias mudam o estilo visual um pouco, elas têm traços variáveis, mas isso vai tanto da proposta de cada história, tanto da época que eu estava produzindo, tem histórias de dois anos atrás, e achei melhor não redesenhar, apenas revisei o texto, porque se redesenhasse eu estaria fazendo uma releitura e mudaria a coisa mais pura que tem lá. O resto da montagem foi igual à primeira edição, com muito carinho e o mesmo cuidado e a vontade de fazer o melhor trabalho possível.

IHQ: Existem mais peças do quebra-cabeça para lançar um número três?
Mario Cau:
Sempre tem. A Pieces três já está metade pronta e pretendo fazer mais histórias, colocar coisas inéditas, mas antes dela provavelmente eu vou acabar fazendo uma edição especial com uma história só.

IHQ: Como anda a sua produção? Você está mais focado na Pieces ou tem outros títulos?
Mario Cau:
Participo da Nanquim Descartável, da Quadrinhopole, da Café Espacial, da Front, então tem bastante coisa acontecendo além da Pieces. Mas fora do âmbito e quadrinhos eu atuo como professor de desenho e basicamente o ganha pão é nessa parte.



O restante da matéria está nesse link!

Nenhum comentário: