terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Arte-Final: Materiais e Técnicas, parte III

Olá, pessoal!

Com vários dias de atraso em relação ao planejado, está no ar a terceira parte dos textos sobre materiais de arte-final.

Hoje vou falar de canetas-pincel (ou brush-pens) com ponta porosa e/ou de feltro. Esse tipo de caneta é um pouco mais comum de achar por aí.

Bom, falado isso, deixe-me abrir mais um parêntese. Moro em Campinas - SP, e quase todos meus alunos moram aqui ou em cidades por perto. Aqui na cidade, temos uma loja de materiais artísticos decente, a Casa da Arte. É, só uma. E por ser só uma, lugar onde é mais garantido de achar nosso materiais costumeiros, talvez role algum tipo de dumping, de monoólio, sei lá. Mas é o lugar que temos, e mesmo lá, não dá para achar tudo que queremos. Por exemplo, no post anterior falei sobre canetas-pincel com cerdas. Nunca vi uma unica dessas lá. As que tenho e uso foram compradas em São Paulo, ou importadas da Dick Blick ou da Jet Pens. Dizem que dá pra achar quase tudo na Liberdade, mas como não vou pra lá há anos, n]ão sei sdizer nem se tem mesmo, nem preços, nem onde achar.

Fechando o parêntese, voltamos ao que interessa.

Essa ponta, que eu chamo de porosa, na verdade é em forma de pincel, mas o meterial do qual é feita é diferente das cerdas artificiais que já mostrei. A ponta aqui é feita de feltro, pelo que me parece. Quem já usou aquela caneta PITT da Faber-Castell sabe do que estou falando. Ou as canetas da Tombow, aquelas com ponmta de pincel (veja aqui).

Os benefícios delas estão mais ligados à limpeza e rapidez de uso. Não precisar do pote de água, de nanquim, papel de rascunho, e não ter que sujar dedos, e ter que lavar pincéis, tudo isso contribui positivamente para esse tipo de caneta. Ela é rápida de usar. Dependendo do jeito que usamos, o traço simula muito bem o de um pincel.

Outro ponto positivo é o preço. Elas costumam custar bem menos que as de cerdas, os preços são similares às canetas de nanquim descartável, daquelas zero-três, zero-cinco...

O ponto negativo, e é aí que o bicho pega, é a durabilidade da ponta. Se você testar qualquer uma delas, vai ver que elas duram por alguns dias. Quanto mais se usa, e quanto mais ênfase você dá no uso delas, mas a ponta sofre. Essa ponta, por ser de feltro, vai se desgastando com o uso, com o atrito no papel, e eventualmente, espana. Ela começa a abrir na ponta, perdendo totalmente a possibilidade de um traço fino e suave. Geralmente isso vem antes de acabar a tinta, então você fica com uma caneta que só faz traços grossos e meio irregulares.

Bom, vamos aos links das canetas e explicações. Segue abaixo uma imagem com a comparação entre as minhas canetas mais usadas.




Faber-Castell PITT Big Brush
Essa é uma caneta grande, com a ponta mais grossa que o normal. Acho ela muito versátil para cobrir áreas de preto chapado mais ou menos grandes nos desenhos, principalmente quando estou em lugares que não dá pra usar nanquim e pincel. A ponta dela sofre do mesmo mal já mencionado: ela espana muito rápido, então não sei se é uma ótima ideia como único recurso de arte-final. Se você quiser desenhar mais desencanado, é bem divertido.

Faber-Castell PITT Artist Pen
Essa é relativamente fácilde achar por aí. Essa caneta, que vem em várias cores, tem uma ponta bem mais fina que a anterior, mas eu uso para o mesmo fim: preencher áreas de preto. Às vezes, faço toda a mancha em nanquim e pincel, mas para ter um controle melhor, deixo bordas brancas ao redos de cenários e personagens, para depois vir com a PITT e cobrir essas áreas. A ponta dela, como já disse, dura pouco. O preço aqui é convidativo, de certa forma. Aqui custa uns R$ 11,00. Não sei se vale tanto a pena como único material de arte-final, mas é um extra bacana pra ter de plano B. As várias cores não ajudam muito para pintura, pois a ponta é fina, mas é legal testar algumas cores. Eu tenho uma sépia, uma azul indigo, que uso às vezes para desenhar no sketchbook.
Lembre de sempre comprar a caneta com o "B" na tampa, pois ela tem pontas padrão também.

Tombow Fudenosuke Brush Pen - Hard - Blue Body

Essa série da Tombow tem duas variantes: corpo azul e corpo verde. A azul é mais fina e mais dura. É ótima para pequenos detalhes, ou algum efeito mais pontilhado. Como a ponta é mais dura, você tem um controle melhor da espessura do traço, então fazer aquela linha mais fininha pode ser mais fácil. De novo: a ponta não dura tanto quanto poderia. Logo ela perde aquele bico bem fino e vira um bico arredondado, e parte da magia acaba aí.

Tombow Fudenosuke Brush Pen - Soft - Black Body

Apesar do nome ser "black body", ela é meio esverdeada. Essa caneta eu já achei na Casa do Artista em São Paulo algumas vezes. Repito o mesmo que foi dito acima. Elas são quase iguais, só muda um pouco a dureza da ponta.

Kuretake No. 14 Pocket Brush Pen - Hard
Essa caneta é a melhor dessa leva. Ela tem a ponta que mais se assemelha a um pincel no resultado. Apesar de ser uma "hard", ela tem uma macieza bacana, um controle bom das linhas. Claro, ela perde a ponta com o tempo, mas essa foi a que mais durou. A tinta foi acabando mas a ponta ainda estava decente. Eu a uso direto, para fazer rostos e mãos que estão pequenos no papel, mas raramente a uso no sketchbook ou outro lugar.

Micron Pigma - nanquim descartável
Essa série é daquelas canetas "genéricas" de nanquim, com a ponta porosa comum, sem ser simulação de pincel. São facilmente encontradas, mesmo em outra marca. Eu acho as da Micron muito boas, comparadas com outras tipo Staedler, Stabilo e Uniball. São extremamente versáteis, mas não simulam pincel. Se você quer um traço mais técnico, sej para arte-finalizar balões ou requadros, seja para desenhar os personagens, ela é ótima. Recomendo ter uma ou duas dessa série, nunca se sabe quando vai precisar.
Essa série tem sim uma caneta com ponta de pincel, que vem indicada com "Brush" na lateral da caneta e um "B" na ponta. Ms essa foi a pior beushpen que eu já usei, dura muito menos que todas que já mencionei.

Bom, por enquanto é só. Vou postar aqui no blog também, uma série de desenhosque ando fazendo para aquecer a mão e os pincéis para arte-final. São desenhos de outros artista,s mas estou fazendo a arte-final. Fiquem de olho!

No próximo post de materiais, falarei das pontas emborrachadas e pincéis! Até lá!

Um comentário:

Roger Cruz disse...

Muito legal o post, Mario.
Sou viciado nessas canetas e já experimentei quase todas.
A que mais gosto no momento é a Sakura Pigma FB.

Mas, no final das contas, quando acaba a tinta dessas descartáveis, acabo voltando pro bico de pena, pincel e nanquim que são fáceis de achar em qualquer lugar.